Kalandula e Musseleje

Kalandula e Musseleje

Uma hora depois de termos estado em Pungo Andongo chegamos a Kalandula, a expectativa era mais que muita, o sol já se mostrava entre as nuvens e a perspectiva de encontrar o arco-íris era enorme.

Embora não sendo a época em que o rio Lucala tem o seu maior caudal (estamos no inicio da época das chuvas), mesmo assim a expectativa não foi defraudada.

Chegados ao local, somos recebidos por uma pequena multidão de miúdos que querem todos ao mesmo tempo ser o guia para descer lá em baixo, querem mostrar tudo, querem guardar a pick up, querem e falam ao mesmo tempo…

O trajecto realizado encontra-se no mesmo mapa do artigo anterior em: mapa

Todos os esforços para comunicar foram em vão.

Só nos restava avançar para o miradouro, com todos eles atrás numa procissão desenfreada de vozes e tropeções.

Chegados ao miradouro e depois de abrir caminho para nos debruçarmos sobre o muro, pudemos finalmente compreender que o que estava diante os nossos olhos valia toda a estrada percorrida até então.

A primeira impressão é indescritível, ali está a natureza no seu estado mais imponente, mais belo, mais majestoso.

E as fotografias sucedem-se…


As Quedas de Kalandula estão localizadas no rio Lucala, o mais importante afluente do rio Kwanza.

Com uma extensão de 410 metros e uma altura de 105, são as segundas maiores de África.


Kalandula é a designação actual e é o nome nativo do local, no entanto durante o período colonial chamavam-se quedas do Duque de Bragança.

Procurei saber porquê, e num blog (as viagens de Alex) encontrei esta explicação:

“Na verdade, toda esta região da província de Malange em redor do rio Lucala e das suas quedas de águas era dominada desde o século XVIII pelo Presídio do Duque de Bragança, instalado no lugar onde se situa a actual vila de Calandula”


Com alguma relutância lá conseguimos deixar as quedas de Kalandula para trás.

Voltando à estrada o destino agora era Musseleje, ali perto, 5 quilómetros de alcatrão mais 15 quilómetros de picada.

  

Neste link o mapa completo de Pungo Andongo, Kalandula e Musseleje, onde podem ver o acesso detalhado a Musseleje: mapa

Tendo outra dimensão, fomos encontrar umas quedas de água numa escala mais pequena num local bucólico, rodeado de arvoredo e foi debaixo de uma enorme mangueira que estacionámos a pick up.

Estava na hora de regressar, esperavam-nos uns longos 380 quilómetros para voltar a Luanda.

Malanje, Outubro 2016

Um Artigo de: Pedro Careno em Prazerdeconhecer

 

Partilhe as suas aventuras
Previous article
Partilhe as suas aventuras
Himbas (parte I)
Next article
Himbas (parte I)

Newsletter - Promotions and highlights in your email

Un-subscribe

If you want to stop receiving newsletters write here the Removal Code shown in newsletter you reveived by us and click Un-subscribe.

https://www.hoteisangola.com/inner.php/en/ajax
Please wait...
Invalid e-mail address